Democratizar o acesso às obras mais emblemáticas


A M. MOLEIRO É UMA EDITORA QUE CLONA OS MAIS EMBLEMÁTICOS CÓDICES DA HISTÓRIA, TORNANDOOS ACESSÍVEIS AO GRANDE PÚBLICO E DEMOCRATIZANDO O CONHECIMENTO. SAIBA MAIS, NA ENTREVISTA QUE SE SEGUE.

Como nos pode apresenta a M. Moleiro?
A M. Moleiro é uma editora completamente diferente do que entendemos por uma editora. O nosso objetivo é clonar os manuscritos com as miniaturas mais fascinantes que foram pintadas entre os séculos VIII e XVI e que sobreviveram à passagem e peso da história como obras-primas da história da arte, reconhecidas e catalogadas como tal, e que são preservados, como tesouros, nas bibliotecas e museus nacionais mais importantes do mundo.

As edições de M. Moleiro são exemplos fiéis das obras mais renomadas do mundo. Como é reproduzir peças tão únicas?
Por causa de seu enorme valor cultural e económico, e para garantir sua conservação, eles não são acessíveis para consulta praticamente para ninguém. É por esse motivo que os clonamos em 987 exemplares, numerados e notarialmente certificados, para que suas miniaturas, seus textos, sua encadernação, etc., tenham uma maior difusão. No fundo, é democratizar os códices que outrora foram propriedade de uso exclusivo de reis como Manuel I de Portugal, Isabel a Católica, imperadores como Carlos V ou Maximiliano, sultões como Murad III e Papas como León X. Também é fundamental devolver aos países de origem, como Portugal e Espanha, seu património cultural perdido pelas vicissitudes da história.
 
Para o mercado português, a M. Moleiro trabalha grandes obras dos Descobrimentos. Quais são essas obras e qual é o papel que elas desempenham para lembrá-lo da história do nosso país?
De Portugal, nós clonamos e estudamos o melhor da sua cartografia. Infelizmente, quase toda a produção cartográfica de Portugal não é preservada em Portugal, mas nas bibliotecas nacionais de países como a Inglaterra, a França e a Rússia e em museus nos Estados Unidos. Assim, clonamos o Atlas Universal de Diogo Homem, de 1565, na Biblioteca Nacional da Rússia, o Atlas Miller na Biblioteca Nacional da França, o Atlas Vallard na Biblioteca Huntington dos Estados Unidos. O Atlas Vallard, embora tenha sido feito em Dieppe, na França, tem noventa e oito por cento de seus nomes de lugares em português, portanto, não há dúvida de que seus cartógrafos eram portugueses. Posso dizer, sem qualquer receio de erro, que clonamos o melhor da cartografia da época das descobertas. Um tempo em que a cartografia portuguesa era a melhor do mundo, tanto pela sua precisão nos traçados cartográficos como pela sua iconografia. Era uma cartografia super luxuosa de uma potência mundial da época.
 
Por exemplo, o Atlas Universal de Fernão Vaz Dourado é uma obra riquíssima a vários níveis. Como surge este interesse por obras históricas?
Por sorte, o Atlas Universal de Fernão Vaz Dourado está conservado na Torre do Tombo, em Lisboa, e para mim foi um prazer imenso conseguir clonar 987 exemplares dessa obra.  O clone, fac-símile, é acompanhado por um estudo de doze especialistas de diferentes universidades e instituições portuguesas: o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, a Universidade do Porto, a Universidade de Lisboa, a Universidade Nova de Lisboa e o Museu Nacional do Azulejo. Uma equipa excecional para um trabalho que é a imagem de Portugal no melhor momento da sua história.
 
É fácil aceder a estas obras? Quais os cuidados necessários para fazer uma reprodução fiel destas obras?
O acesso é praticamente impossível por motivos de conservação e proteção. Agora, quem quiser pode comprar um desses 987 clones, fac-símiles, e enriquecer a sua biblioteca. Um tesouro para ele, e seus descendentes. Qualquer pessoa que queira saber as condições em que uma dessas cópias pode estar em sua biblioteca só precisa de nos contactar e daremos todo o tipo de informações para a sua aquisição.
Agora, se me pergunta como clonamos um original, posso dizer-lhe que é um processo muito laborioso e, por conseguinte, todos os detalhes são confirmados junto do original, seja onde ele estiver guardado. Os originais não viajam e, portanto, temos que ser nós a ir ao seu encontro, onde quer que eles estejam e, sempre, debaixo do olhar atento dos seus conservadores.
 
O mais curioso das vossas obras é que não representam apenas o grafismo, reproduzem também, por exemplo, o cheiro de obra antiga. Como conseguem alcançar estes níveis de perfeição?
O nosso objetivo é obter cópias difíceis de diferenciar dos originais. Foi esse nível de qualidade que levou o Times a classificar nosso trabalho como A Arte da Perfeição em um belo artigo e o jornal Le Monde para qualificar nossos códices como clones. Produzimos um pergaminho vegetal com o mesmo toque e espessura que o original em que estamos trabalhando. As peles da encadernação e todos os outros materiais são os mesmos que foram usados quando os originais foram criados. Como o Herald Tribune escreveu, nossos espécimes cheiram até mesmo aos originais. O resultado do nosso trabalho foi ecoado pela mídia mais importante e séria do mundo.
 
Em 2019, celebram-se os 500 anos da primeira circunavegação do planeta. Podemos estar no momento certo para falar do Altas Miller? Que traz de novo este Atlas ao mundo, em 1519?
O Atlas Miller foi mandado fazer por Manuel I de Portugal e, de forma unânime, é considerado o documento mais importante da história da cartografia. É um tesouro, produzido em Lisboa em 1519 e conservado, como grande tesouro que é, na Biblioteca Nacional de França. Alguns autores defendem que é uma tentativa de Manuel I de Portugal provar a Carlos V a inviabilidade do projeto de Magalhães. Uma tentativa que estava interessada que essa grande viagem, aquela façanha, tivesse sido feita sob bandeira portuguesa. Aparentemente, Manuel I queria fazer contas com Magalhães, um português a serviço de uma coroa concorrente de Portugal.
 
São muitas as obras que fazem parte da vossa coleção, mas recentemente lançaram uma nova. Quer falar-nos um pouco sobre o Livro da Caça, de Gaston Fébus?
O Livro de Caça, de Gaston Fébus, é o nosso último trabalho e é o códice mais bonito alguma vez feito sobre caça, sobre os costumes, sobre a natureza e a vida desde a última década de 1300. É um códice com tantas miniaturas, tão belas e com tanto ouro que o posicionam como o livro de caça mais belo do mundo. Este extraordinário códice tem tantas miniaturas quanto a melhor bíblia da época. Mais do que um livro de caça é um livro da vida. Temos que perceber que a caça, nos finais de 1300, não tem nada a ver com a caça atual, era, então, uma fonte de vida e hoje não é assim.
 
Para o futuro, quais são os grandes objetivos?
Atualmente, estamos a trabalhar em dois códices sobre o Apocalipse de São João. O nosso objetivo, agora e no futuro, é continuar a clonar os tesouros bibliográficos com um tal nível de qualidade que seja impossível diferenciar o original do clone conservando assim os originais, ao mesmo tempo que democratizamos o seu acesso, tornando-o acessível a, pelo menos, 987 pessoas. As nossas obras gozam de prestígio por todo o mundo porque conseguimos criar níveis de autenticidade q ue nunca ninguém conseguiu criar.
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x