El Águila y la Sibila

Frescos índios do México Sergio Gruzinski

El Águila y la Sibila Frescos índios do México Sergio Gruzinski

Uma das vertentes culturais mais interessantes da conquista do México foi, sem dúvida, a invasão de formas e estilos europeus que ajudou a que os pintores indígenas descobrissem o Renascimento. Após a Conquista e o conseguinte processo de evangelização, nasceu uma nova arte, fruto da mestiçagem das tradições e das formas. Os templos indígenas foram destruídos e no seu lugar foram construídas igrejas e conventos, cujos muros, cobertos de frescos, ilustram distintas passagens das Escrituras. Misturando o tempo com os espaços, a arte colonial fusiona a Antiguidade, a Idade Média, o Renascimento e as mitologias mexicanas. Ao cobrir os muros das igrejas e dos mosteiros, construídos pelos franciscanos, dominicos e agostinhos, as crenças, estilos e períodos confundem-se sob o trabalho dos pinceles, aportando um novo olhar à arte ocidental.

A Águila y la Sibila transporta-nos para um fascinante percurso por igrejas, conventos e estâncias. As suas arrebatadoras imagens e o texto de Sergio Gruzinski fazem-nos descobrir um capítulo inédito e turbador da nossa cultura.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x