A Carta de Cristóvão Colombo, Mapa-múndi

A Carta de Cristóvão Colombo, Mapa-múndi

Voltar

Em 1924, Charles de la Roncière, historiador francês especialista em cartografia, atribuiu a Cristóvão Colombo uma carta marítima portulana que desde então tem sido tema de debate e discussões.

A carta marítima mostra o desenho clássico da área mediterrânica, complementada com a costa atlântica, que se estende desde a Escandinávia até à foz do rio Congo. Contém uma nomenclatura especialmente completa de toda a costa africana, zona onde se crê que Colombo fez, pelo menos, uma viagem com os portugueses. Incluiu para Este, o Mar negro e o Mar vermelho; em direcção a oeste aparecem uma série de ilhas - umas reais e outras imaginárias -, desde o Árctico até ao Golfo da Guiné.

Na parte alargada do pergaminho existe um pequeno mapa-múndi circular cujo centro é Jerusalém, rodeado por círculos celestiais que simbolizam o conceito geocêntrico do universo. Não é muito frequente encontrar uma carta prática de navegação, justaposta a um plano cosmográfico. Uma das notas latinas que o acompanha indica que o mapa-múndi, apesar de estar desenhado sobre um plano, deve considerar-se esférico. Através da apresentação da terra desta forma, comprova-se o carácter de transição do mapa entre a Idade Média e o Renascimento.

A bandeira espanhola sobre Granada denota que o mapa foi elaborado depois de Janeiro de 1492, após a conquista da cidade muçulmana pelos Reis Católicos. Não existe neste mapa intenção de mostrar os novos descobrimentos que aconteceram de 1493 em diante, como acontece com o planisfério de Juan de la Cosa de 1500 e nos mapas seguintes, o que sugere que este mapa foi realizado em começos do ano de 1492.


We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x