Saltério Glosado

Saltério Glosado f. 141r, salmo 78  Ó Deus, vieram as nações à tua herança

Voltar

f. 141r, salmo 78  Ó Deus, vieram as nações à tua herança

A imagem do fólio 141 valida a leitura do salmo de modo bastante claro e directo. O primeiro registo descreve, sobre um muro de fundo lilás, decorado com os habituais motivos vegetais e arqueamentos fechados, as consequências das ordens de um rei entronizado que, acompanhado por um par de hebreus com a cabeça coberta e longas barbas, posiciona-se sobre um assento decorado por uma tela de um vermelho muito intenso, que recorda a cor do sangue que o mesmo irá derramar. O seu braço estendido relaciona o poder que exerce com a morte de sete personagens ajoelhadas e em oração, nas quais se deve reconhecer os inocentes ou fiéis a que salmo faz referência e para os quais é reclamada a justiça divina (v. 11-12,...posside filios mortificatorum. Et redde vicinis nostris septuplum in sinu eorum: improperium ipsorum, quod exprobraverunt tibi Domine...// ...conserva os filhos dos que foram mortos. Retribuí aos nossos vizinhos sete vezes mais no seu seio: o seu próprio impropério, com que te humilharam, Senhor…). Um verdugo começa a cortar a cabeça do primeiro fiel, que segura pelos cabelos, com um golpe de espada que sugere um gesto da direita para a esquerda e não de cima para baixo. O sangue jorra abundante do pescoço do homem sacrificado, do mesmo modo que o faz do pescoço da mulher que, situada um pouco mais à direita, sofre idêntico destino nas mãos de outro verdugo, coberto com um turbante vermelho. A mulher reclama a atenção sobre a Filha de Sião, que é a cidade de Jerusalém (v.1), mas também pode evocar a mulher que triunfará sobre o pecado, comprometida com a Cidade de Deus (a outra Jerusalém). Contudo, mais à direita, vemos um grupo de pelo menos oito personagens que se lamentam ou se entristecem face às execuções injustas. Trata-se das mortes e sacrifícios dos fiéis a que o Saltério alude (v. 2, Posuerunt morticina servorum tuorum, escas volatilibus coeli: carnes sanctorum tuorum bestiis terrae// Deram os cadáveres dos teus servos como comida às aves do céu: as carnes dos teus santos às bestas da terra). Uma referência redundante que também nos leva até Jerusalém. Depois de assistir à execução discriminada e detalhada dos fiéis nestes espaços interiores do primeiro registo, a miniatura faz eco no segundo, de uma matança que se multiplica pelas mãos do exército, que golpeia e assassina os habitantes, homens e mulheres, da Jerusalém terrena. São tantas as mortes, que pelas portas das suas muralhas chega a formar-se um verdadeiro rio de sangue. Trata-se de uma notória mancha vermelha, referida no salmo, (v 3, Effunderunt sanguinem eorum tanquam aquam in circuitu Jerusalén: et non erat qui sepeliret// Derramaram o sangue deles como água, à volta de Jerusalém: e não havia quem sepultasse), de um líquido que se derrama, como água, à volta de Jerusalém, uma cidade complexa com os seus telhados à maneira italiana e as suas torretas, torres e torrões saídos deste e de outros hemisférios. Como na matança dos inocentes, os habitantes da cidade não combatem e são os soldados -com os seus escudos vermelhos e verdes povoados de leões rampantes e os seus elmos azuis, arredondados ou pontiagudos e algumas armaduras saídas directamente do mundo de Giotto- os que, a golpe de espada ou lança, ferem ferozmente a todos, de modo que já não sobrará ninguém para enterrar os mortos (v. 3, ...et non erat qui sepeliret// e não havia quem sepultasse). Uma árvore isolada sobre um promontório e alguns arbustos sobre as rochas situam a periferia da cidade, violentada por um exército implacável.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x