Breviário de Isabel, a Católica

Breviário de Isabel, a Católica f. 436v, Escudo dos Reis Católicos junto ao dos seus dois filhos e genros

Voltar

f. 436v, Escudo dos Reis Católicos junto ao dos seus dois filhos e genros

A pintura representa o escudo dos Reis Católicos ou, antes, os escudos das coroas de ambos os monarcas: mostra, sobre um fundo ilusionista azul fechado numa moldura simples, a águia de São João, dourada e confundida sobre o todo, cuja cabeça está flanqueado por dois amuletos onde se lê, à esquerda: « svb vmbra/alarvm/tvarum» e «protege/nos » à direita. Segura com as suas garras o grande escudo dos reis, contra-esquartelado, encravado e caído: o primeiro quarto de vermelho e ouro, que representa o reino de Castela, mostra um castelo dourado fortificado; no segundo, de prata, um leão rampante de sabre, linguado e coroado de ouro, representa o reino de Leão. O reino de Castela e Leão forma um escudo esquartelado em cruz; seguidamente, o de Aragão denomina-se partido e compõe-se, conforme se vê no terceiro quarto dos quatro paus de vermelho sobre o campo dourado, referido à coroa de Aragão; no quarto, em campo de prata, esquartelado em aspa, 1º e 4º de Aragão, 2º e 3º em campo de prata, águia com asas estendidas de sabre, correspondente ao reino da Sicília; na metade inferior, repete-se estes dois escudos, mas invertido; por último, encravado de prata, uma granada natural rajada de vermelho, esculpida e folheada de duas folhas de sinople, representa o reino de Granada. Ao timbre, coroa real, fechada, isto é, um círculo de ouro engastado de pedras preciosas –rubis, safiras e pérolas– composto de oito florões de folhas de acanto, com cinco visíveis.
 
Na parte inferior, e de menor tamanho, dois escudos contra-esquartelados; o da esquerda, preso por uma corrente, o do Infante Dom João, príncipe das Astúrias e o de Margarida da Austria; o de Joana I de Castela e o arquiduque Felipe I de Habsburgo, o da direita: Ao timbre, coroa imperial. Os escudos dos príncipes hispanos são iguais aos dos Reis Católicos; os da dinastia de Habsburgo, que ocupam os flancos direitos e esquerdo, respectivamente, são aquartelados com escudete: no primeiro quarto, aprecia-se o brasão da Áustria moderna: no campo de vermelho, faixa em prata; no segundo, correspondente a Borgonha moderna (ducado de Digione), campo de azul com três flores-de-lis de ouro, postas duas e uma; no terceiro, pertencente a Borgonha antiga (Franco Condado: Besançon), bandado de ouro e azul, em ordens de 3 e 3, com adorno composta de vermelho; no quarto, no campo de sabre, leão rampante de ouro e linguado, correspondente a Bravante (ducado de Bruxelas, Amberes, Lovaina e Breda) e, finalmente, um escudete que apresenta num campo dourado, leão rampante de sabre, correspondente à Flandres (condado de Bruges e Gant). Ambos os escudos estão rodeados por três amuletos onde se lê os seguintes motes, retirados do salmo 44,17: « pro patribvs tvis nati svnt tibi filii » « constitvisti eos principes svper omnem terram », e 111, 2: « potens in terra erit semen eivs generatio rectorvm benedicetvr », referidos, neste contexto, à realeza divina, poder e fecundidade dos príncipes.
 
Obviamente, pese o facto de se ter realizado posteriormente à conclusão do breviário, os escudos dos Reis Católicos e seus filhos e genros, especialmente no que se refere aos motes, marcam um término post quem para a datação do códice. Com toda a probabilidade, este fólio deve ter sido acrescentado antes de 4 de Outubro de 1497, data do falecimento de João de Trastámara, príncipe das Astúrias. A semelhança da imagem que ocupa todo o fólio deste breviário, com três escudos de armas situados num espaço ilusório pouco profundo, com a de uma pintura das armas de Isabel I de Castela, que aparecem num livro das horas (Cleveland, The Cleveland Museum of Art, 1963-256, f. 1v.) executado dentro da década dos anos 90, confirma a autenticidade do escudo de armas do breviário. O duplo matrimónio por poderes teve lugar na Flandres em Novembro de 1495, com Francisco de Rojas a representar os jovens infantes. A apresentação do códice, por parte do embaixador, à sua rainha deveu-se, talvez, para comemorar este evento.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x