Breviário de Isabel, a Católica

Breviário de Isabel, a Católica f. 481r, A ressurreição de Lázaro

Voltar

f. 481r, A ressurreição de Lázaro

A partir do fólio 437r em diante, a maior parte das pinturas do Breviário de Isabel a Católica são devidas a Gérard Horenbout e à sua oficina, o que supõe um terço das que se encontram no códice. Nesta, correspondente à véspera dos defuntos, é representado a ressurreição de Lázaro: à esquerda, de frente para porta de uma cidade fortificada, encontra-se um grupo de pessoas, encabeçado por Jesus, que faz um gesto elocutório e de bênção com a sua mão direita, acompanhado de Maria e Marta –de joelhos– à sua esquerda e de uma personagem da alta classe, à direita, detrás da qual um homem tapa o seu nariz e boca com a mão para evitar o odor da tumba; no centro, retirada a lápide, surge Lázaro seminu, com o sudário a cobrir parte do seu corpo; finalmente, à direita, três homens –dois deles identificados como coveiros pelas pás que carregam– observam e um deles comenta o milagre. A paisagem de fundo, tratada com sobriedade e delicada sensibilidade, mostra várias árvores e colinas azuladas à distância. Pintura e texto estão rodeados por uma margem de acantos pintados em camafeu dourado, de onde saem diversas flores e frutos, cujas cores estão em consonância com as da miniatura principal, rodeando duas caveiras. A da parte inferior central possui um amuleto por cima, onde se lê: « memento mori »; na lateral direita está escrito « respice finem ».
Durante a época paleocristã, a ressurreição de Lázaro foi interpretada como uma pré-figura da Ressurreição de Cristo e da dos mortos no juízo final. Para os primeiros cristãos, foi a encarnação das suas esperanças de ressurreição e de vida eterna. Esta é a razão pela qual se representa tão frequentemente em catacumbas e em sarcófagos nos séculos III e IV.
O tipo compositivo mais antigo apresenta Cristo, Lázaro, uma ou as duas das suas irmãs e um apóstolo. Os primeiros exemplos deste milagre são encontrados em vasos de cristal paleocristãos e nos frescos de 240-250 das capelas da catacumba de São Calixto de Roma. Porém, um modelo que continha numerosas figuras desenvolveu-se na arte sírio-palestina e preservou-se no Codex Pupureus Rossanensis (Rossano, Biblioteca do Palácio Arcebispal) do terceiro quarto do século VI; o grupo, de judeus e de apóstolos que acompanham Cristo para ver o milagre, pode ser mais ou menos numeroso. A partir do século VI, sempre haverá uma figura que leva a mão ao nariz ou à boca. No XI, estabelece-se uma nova fórmula que trará os elementos determinantes para a imagem do período gótico: a abertura do sarcófago e os esforços do ressuscitado em se levantar por si próprio do sepulcro tem paralelos iconográficos com a ressurreição dos mortos na imagem do juízo final. Lázaro descansa numa tumba de pedra; em contraste com obras anteriores, a parte superior do seu corpo, que está envolvida num sudário, levanta-se levemente. Nos relevos de bronze da coluna de Hildesheim, representa-se Lázaro no momento da ressurreição, em que, nu, se levanta do sepulcro, olha para Cristo e responde à sua chamada com o gesto das mãos em oração. Na segunda metade do século XV, os pintores flamengos retomaram o tema. Além do sarcófago em que o homem ressuscitado se senta, chegou a ser comum representar uma sepultura e Lázaro senta-se tanto na abertura como na lápide.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x