Grandes Horas de Ana da Bretanha

Grandes Horas de Ana da Bretanha Santa Margarida, f. 205v

Voltar

Santa Margarida, f. 205v

Dentro de um espaço circular, fechado por um muro de pedras com dois vãos cobertos com grades, santa Margarida, de longos cabelos ruivos – símbolo da sua virgindade –, sai do ventre de um grande dragão com cornos, a sangrar e de pele matizada e verde. A santa, com um joelho ainda dentro do corpo do monstro –o que faz com que, na verdade, se encontre ajoelhada–, nimbada e vestida com gorjal e saia comprida cingida à cintura com uma cinta de ouro onde está pendurado um pater, olha para o alto e une as suas mãos em oração; entre elas segura um crucifixo. Deve destacar-se a economia de meios e como, num espaço tão exíguo, foi possível representar a figura imponente do dragão fazendo com que se enrosque sobre si mesmo, o que, por sua vez e graças à sombra da santa projectada na parede, contribui para criar a sensação de um espaço mais amplo e totalmente satisfatório. Novamente, o espectador adquire um ponto de vista elevado que o torna participante da cena. O estilo da pintura mostra precisão no desenho, doçura de matizes e idealização do rosto da santa. A iconografia que se segue nas Grandes Horas de Ana de Bretanha é a habitual da santa –e diferente, tanto na sua representação como na sua iconografia à que aparece no fólio 3r, acompanhando Ana de Bretanha– ao aparecer com um dos seus elementos mais habituais, o dragão, de cujo ventre emerge, e com o crucifixo que abriu as entranhas da besta que a devorou.
A vida de Santa Margarida é uma lenda de origem grega difundida no Ocidente através da Lenda dourada de Jacopo da Varazze. Trata-se de uma duplicação da história da Santa grega Pelagia e de Santa Marina. Filha de um sacerdote pagão de Antioquia, havia sido convertida pela sua ama de leite que a tinha posto a guardar ovelhas. O governador Olíbrio sentiu-se atraído pela sua beleza, mas, face à negativa de Margarida em aceder às suas pretensões, prendeu-a num calabouço. Ali, foi assaltada pelo diabo em forma de um grande dragão que a devorou. Porém, a santa estava armada com um crucifixo, com o qual perfurou o ventre do monstro e conseguiu sair. É possível que esta lenda tenha tido origem numa imagem mal compreendida. Como tantas outras santas, estava representada de pé, com as mãos unidas, junto a um dragão simbólico sobre o qual triunfava por meio da oração. Também se deve ter em conta o contágio com outro tema, como o de Jonas a ser vomitado pela baleia. Depois de sair incólume do ventre do dragão, Santa Margarida padeceu vários suplícios até que, finalmente, foi decapitada.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x