Saltério Glosado

Saltério Glosado f. 154v, salmo 87  Senhor Deus da minha saúde: de dia clamei e noite diante de ti

Voltar

f. 154v, salmo 87  Senhor Deus da minha saúde: de dia clamei e noite diante de ti

O salmo evoca os momentos mais dolorosos e o umbral da morte (v.7, Posuerunt me in lacu inferiori: in tenebrosis, et in umbra mortis// Lançaram-me num fosso profundo: em lugares tenebrosos, e na sombra da morte). O perigo da morte espreita o salmista como a Cristo, antes da Paixão. Três das quatro cenas que compõem este salmo são directamente adjacentes à Paixão de Cristo, mas os seus conteúdos são oferecidos em planos distintos. A única que escapa a estes conteúdos evangélicos mais evidentes é a primeira. Nela, um David já muito idoso, deslocado para a esquerda, toca ainda o saltério acompanhado por músicos barbudos de cabelo grisalho, que fazem soar a flauta e o tamborim, o órgão portátil, a viola, os alaúdes, além de outros saltérios. Nesta ocasião não parece tratar-se de uma sonoridade festiva. Tudo se centra sobre o conteúdo negro do salmo e os músicos, incluindo o rei, reflectem nos seus rostos cansados, o peso dos piores momentos (v.4, Quia repleta est malis anima mea: et vita mea inferno appropinquavit// Porque a minha alma está saturada de males: e a minha vida tem-se aproximado do inferno; Santo Agostinho, Narrações III, p. 271). A ideia do sepulcro, a vida entre os mortos e em lugares tenebrosos, profundos e abomináveis, rege em boa parte do texto que conclui com as interrogações do salmista sobre uma resposta divina, que todavia não chega. Também não é alegria o que emana dos seis belos anjos com Arma Christi, que foram pintados à volta da cruz com a corda, a coroa de espinhos e os cravos, uns açoites e a lança, a esponja e o vinagre, uns segundos açoites e um véu transparente e o sudário. A cruz foi disposta como o principal símbolo da Paixão de Cristo, de modo semelhante à do fólio 149 e pode recordar pelo seu intenso protagonismo aquela que, elevada por dois anjos, Giotto incluiu no contexto do Juízo Final da Capela Scrovegni de Pádua.
O cântico aflito de David e os seus, tenta anular a culpabilidade do homem que será encarnada de novo em Judas. Assim, é exposto no registo inferior, onde assistimos à Prisão de Cristo, precedida pelo momento em que Judas realiza a transacção com os príncipes dos judeus, novamente representados com as mitras dos bispos cristãos (vide fólio 117). A cena da venda torna-se singular tanto pelo amplo espaço que lhe foi dedicado, como pelos elementos que se definem no mesmo, em particular a mesa atrás da qual três dos judeus mais destacados recebem Judas. Sobre ela vemos o saco de onde saíram as moedas, também representadas sobre o tabuleiro e uma parte das quais é recebida pelo apóstolo traidor. Trata-se de uma cena de grande interesse que prefigura posteriores actuações bancárias. Os judeus, acusados amiúde de usura, vêem-se assim directamente implicados na circulação do dinheiro e na sua manipulação, conforme reflecte a imagem trecentista. De igual modo, o segundo episódio escolhido culmina o conteúdo do salmo, que fala da traição ao Senhor, entregue pelos seus próprios fiéis ao inimigo (v. 9, Traditus sum, et non egrediebar// Entregue fui, e não tinha saída). O abraço e o beijo de Judas, vestido de verde e ocre, acorrem no meio de uma multidão de soldados que transportam elmos azulados ou metálicos. Um deles leva um escudo com a estrela e a meia-lua, ao mesmo tempo que segura uma tocha, a que se junta uma segunda, sem chegar em caso algum à densidade dos paus verticais que foi tópico em outras ocasiões. Mais do que formas de iluminação, os fogos acesos parecem ter um significado específico, o que contribui para a sua elevação até o episódio protagonizado pelos anjos. A sombra da morte precipita-se agora sobre Jesus vendido pelo apóstolo traidor e lembra-nos de novo o conteúdo do versículo 7. Deste modo hábil, o fogo orienta-se para o sacrifício e a paixão, bem como para o castigo dos infiéis. Contudo, não é esquecido o episódio assumido por São Pedro, que corta a orelha de Malco caído e sangrento. Chama a atenção a falta de interesse pela consequente cura do ferido, que é tratada mais claramente noutras obras. Na Prisão, Cristo é afastado dos seus, como também reza o salmo (v. 9, Longe fecisti notos meos a me...// Afastaram de mim os meus conhecidos...), e colocado em perigo de morte, facilitando a compreensão dos lamentos expressos por David.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x