Grandes Horas de Ana da Bretanha

Grandes Horas de Ana da Bretanha A fuga para o Egipto, f. 76v

Voltar

A fuga para o Egipto, f. 76v

As primeiras luzes da aurora começam a iluminar uma paisagem rochosa na qual já cavalgam os soldados de Herodes, encarregados de exterminar a todas os meninos com menos de um ano. A Sagrada Família foge para o Egipto para proteger Jesus. Contudo, os rostos das três personagens, inclusive do jumento que transporta a Virgem e o Menino, expressam uma doçura e uma suavidade comovedoras. O Menino brinca com uma maçã, fruto esférico que pode simbolizar o seu reinado universal.  
Esta pintura demonstra o talento magistral de Jean Bourdichon. A composição, com a Virgem com o Menino no seu regaço no primeiro plano e as montanhas rochosas ao fundo, lembra a Virgem das Rochas de Leonardo da Vinci.
O mestre Bourdichon realça as dobras do manto da Virgem com os seus inconfundíveis toques de ouro.
Esta cena também reúne, no último plano, a matança dos Inocentes e, no meio, uma representação da lenda tardo-medieval do «Milagre da colheita de trigo», que se popularizou na pintura flamenga durante os séculos XV e XVI.
A lenda conta que Maria rogou a um agricultor que dissesse aos soldados que os perseguiam que enquanto estava a semear tinha visto passar uma família. A seguir, o campo de trigo começou a crescer até alcançar uma altura que ocultava os fugitivos. Deste modo, ao falar com o agricultor, os soldados abandonaram a sua perseguição, já que concluíram que devia fazer muito tempo que os fugitivos tinham cruzado aquele campo, já tão crescido.
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x