Atlas universal de Fernão Vaz Dourado

Atlas universal de Fernão Vaz Dourado FOLHA 6 - NESTA FOLHA. ESTA LAMCADO. TODA. A COSTA. DALTALEMANHA. E FRAMCA. E BRETANHA. ATE. IMGRATERA.
Voltar

FOLHA 6 - NESTA FOLHA. ESTA LAMCADO. TODA. A COSTA. DALTALEMANHA. E FRAMCA. E BRETANHA. ATE. IMGRATERA.

A imagem, quase dividida ao meio pelo Cículo Polar Ártico (“Circvlvs Articvs”), está dedicada ao extremo norte da Europa Ocidental, tendo no centro a Escandinávia e para Norte, em quase um terço da parte superior do mapa, o extenso “Mare Congelatvm” (Oceano Polar Ártico). Assim, do Cabo Norte ao sul das Ilhas Britânicas, figuram-se o Mar Báltico, os Golfos da Bótnia e da Finlândia, a Islândia e os litorais desde o Mar do Norte à Polónia e aos Estados Bálticos. Existem ilhas míticas que flutuam no “Oceanvs Hiperborevs”, como “Obrazill”, para Oeste da Irlanda. O interior do continente apresenta pouca informação, apenas os cursos de grandes rios. Os nomes de cidades e países encontramo-los com distribuição bastante confusa: “Framca, Olamda, Rvsia, Pelonia, Viana, Vngria, Bvda, Belgrado”.

Na busca de fontes entre os protótipos da Cartografia portuguesa, tão pouco estudados no que respeita a espaços europeus, encontrámos algumas semelhanças no desenho dos litorais – entrada do Báltico, Ilhas Britânicas, Península Ibérica, Estreito de Gibraltar –, entre esta imagem de Vaz Dourado e a carta náutica atribuída a Lopo Homem, de c. 1550, existente nas colecções da Biblioteca Nacional de Portugal. Haveria que estender esta análise à produção não portuguesa, na busca de mais inter-influências.

Um dos centros de interesse do mapa é a heráldica presente sobre as regiões e países europeus. Apenas dois esclarecimentos, um sobre as Ilhas Britânicas, outro sobre os reinos da Escandinávia. Sobre a Inglaterra e a Irlanda encontramos a cruz de São Jorge, o que indica a ocupação da segunda pela primeira. No caso da Escócia, separada fisicamente da Inglaterra por um canal, é a cruz em aspa de Santo André que está figurada, já que Jaime VI Stuart, o futuro Jaime I de Inglaterra, governa então um reino independente (1567-1603). No atlas de 1568, Vaz Dourado repartira as armas da Inglaterra pelos três reinos; do ano anterior datava a deposição de Maria Stuart como rainha da Escócia e a sua detenção pelos ingleses.

Mais interessante é a possível explicação das ostensivas armas espanholas sobre a Escandinávia, já que aquando da feitura do Atlas é a Casa de Vaza que reina na Suécia. Porém, para uma parte das chancelarias europeias esta nova dinastia usurpara o trono, em 1523, a Cristiano II (1481-1559), primeiro rei da Dinamarca e da Noruega (1513-1523) e depois, rei da Suécia (1520-1521). Cristiano II casara com Isabel de Áustria (1501-1526), irmã do imperador Carlos V, e desse casamento nasceram Doroteia, futura eleitora palatina, e Cristina, primeiro Duquesa de Milão e depois da Lorena. As sobrinhas do imperador e primas de Filipe II de Espanha, vivas em 1571, não haviam deixado de reivindicar as coroas escandinavas.

João Carlos Garcia
(Faculdade de Letras, Universidade do Porto)
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x