Atlas universal de Fernão Vaz Dourado

Atlas universal de Fernão Vaz Dourado FOLHA 5 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. A COSTA. DOS BACALHAOS E A TERA. DOS. CORTEREAIS.
Voltar

FOLHA 5 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. A COSTA. DOS BACALHAOS E A TERA. DOS. CORTEREAIS.

Afirma Varnhagen na primeira descrição que possuímos do mapa: “A carta que vem nesta 5ª folha nos esclarece por ventura bastante para podermos julgar com fundamento á cerca do descobrimento e estabelecimento dos Portuguezes nas Costas da America Septentrional.” Às imagens de Vaz Dourado recorreu a historiografia portuguesa para repetir as palavras do investigador brasileiro. No final de Oitocentos, Ernesto do Canto analisava a lista de topónimos ao longo dos litorais figurados no mapa para confirmar uma vez mais a prioridade dos descobrimentos portugueses na América do Norte.

Na carta encontramos os actuais territórios do Canadá oriental e o Nordeste dos Estados Unidos, com maior concentração de informação em torno da Terra Nova e do grande vale do São Lourenço, a principal via de penetração no interior continental. A Terra Nova era há muito conhecida dos portugueses pelos seus interesses na pesca do bacalhau, daí a referência inserta no título mapa sobre “a costa dos bacalhaos”. Para norte do “Circvlvs Articvs” apenas três topónimos, nessa “tera descuberta”.

Embora o meridiano de Tordesilhas não esteja figurado, parte-se do princípio que cortará o espaço representado: para Oeste as possessões espanholas, para Leste, as portuguesas. Assim se explica a presença de um brasão com as armas de Castela/Aragão, aproximadamente no interior do actual estado do Maine (USA) e outro com as armas de Portugal a Norte do São Lourenço, na “Tera do Lavrador”. Finalmente, para Sul do São Lourenço, a indicação da “Tera dos Cortereais” recordando a chegada dos irmãos Corte Real, em 1501. As bandeiras com a cruz da Ordem Militar de Cristo encontramo-las implantadas nas ilhas de la Madeleine, no centro do golfo de São Lourenço e no extremo sudeste do Lavrador. Para Leste, ocupando uma larga parte da carta estende-se o “Mare Oceano”.

Sobre a importância desta imagem na Cartografia internacional, enquadrada na obra de Vaz Dourado, comenta Max Justo Guedes:
Os pontos mais interessantes desta vasta obra (…) estão relacionados à América do Norte. No Nordeste, Dourado acompanhou o protótipo franco-lusitano dos descobrimentos de Jacques Cartier que havia sido primeiramente apresentado pelo anónimo autor do atlas dito Vallard, mas utilizou o desenho de Diogo Ribeiro – e posteriores modificações – para o contorno atlântico.

João Carlos Garcia
(Faculdade de Letras, Universidade do Porto)
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x