Atlas universal de Fernão Vaz Dourado

Atlas universal de Fernão Vaz Dourado FOLHA 11 - NESTA FOLHA. ESTAM. LAMCADAS. TODAS. AS ILHAS. QVE ESTAM. DA. QINVCIALI. AO SVL.
Voltar

FOLHA 11 - NESTA FOLHA. ESTAM. LAMCADAS. TODAS. AS ILHAS. QVE ESTAM. DA. QINVCIALI. AO SVL.

A carta, que com a seguinte, retrata o Índico ocidental, dividindo-o pela linha do Equador, 37º para norte e 37º para Sul, é particularmente dedicada às rotas marítimas entre a África oriental e o Indostão, tendo como pontos de referência e de passagem nessas rotas, diversos arquipélagos e ilhas.

No canal de Moçambique, por exemplo, estão indicadas as ilhas de João de Lisboa e de João da Nova, em direcção às Comores e às Seychelles, mas encontramos, igualmente, topónimos repetidos para diferentes ilhas em locais distintos, como é o caso da Ilha do Almirante ou da Ilha do Mascarenhas. Também para o Índico “migraram” ilhas míticas do Atlântico, como a de São Brandão, a 17º S, ou existem ilhas incertas, com pouca informação, como os Romeiros Castelhanos, a 28º S. Junto à escala de latitudes, na base do mapa, sobre a esquadria, uma discreta mas importante indicação: “I. q achou sam Paulo 38º”, referindo-se à descoberta da ilha pelos portugueses aquando do naufrágio da nau São Paulo, e que será figurada nos atlas holandeses de Blaeu.

A parte continental, apenas um quinto do mapa, compreende os litorais, da foz do Zambeze à costa da Somália, até ao Equador (que serve de limite Norte), com a ilha de Madagáscar bem destacada. Não existe qualquer simbologia de posse portuguesa sobre os arquipélagos do Índico. Apenas duas bandeiras com a Cruz de Cristo foram implantadas no litoral do futuro Moçambique: em Sofala e na Ilha Moçambique.

João Carlos Garcia
(Faculdade de Letras, Universidade do Porto)
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x