Atlas universal de Fernão Vaz Dourado

Atlas universal de Fernão Vaz Dourado FOLHA 12 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. TODA. A COSTA. DA IMDIA. DO RIO. DE. IVGO ATE O PORTO. DE. BEMGALA.
Voltar

FOLHA 12 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. TODA. A COSTA. DA IMDIA. DO RIO. DE. IVGO ATE O PORTO. DE. BEMGALA.

Com base no Equador, a carta constrói-se em torno do Índico ocidental. Os litorais figurados estendem-se da Somália até ao centro do Golfo de Bengala, incluindo o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico.

São vários os importantes elementos geográficos que se repartem no interior continental. O primeiro, é o curso do Nilo, com os seus lagos, afluentes e ilhas, desde a nascente num grande lago, junto a uma alta montanha, no coração do império do “Preste Ioão”, até ao delta no Baixo Egipto. O segundo, o território da Mesopotâmia, entre o Tigre e o Eufrates, com a localização de Bagdad, na margem de um grande golfo interior povoado de ilhas, e Bassorá, no fundo do Golfo Pérsico. O terceiro, o curso do Indo e a península de Gujarat. O quarto, o denso e extenso alinhamento Noroeste-Sudoeste do Arquipélago das Maldivas, e um pouco mais para norte, o Arquipélago das Laquedivas, junto à costa do Malabar. O quinto, o pormenor da figuração do Ceilão, que surge como uma redução do mapa da ilha a uma grande escala, que Vaz Dourado incluíra no seu Atlas de 1568 (fol. 13).

A presença do mundo islâmico em todo o Sudoeste asiático é recordada pelas bandeiras e escudos no Médio Oriente, na Península Arábica, no Paquistão e no Irão. Em África, apenas as armas do Preste João (cruz dourada em campo azul), recordam esse isolado reino cristão. Encontram-se repartidas pelo topo do mapa, sete bandeiras da Ordem de Cristo e de Portugal, estrategicamente localizadas: em Ormuz, na entrada do Golfo Pérsico, e ao longo da costa do Indostão ocidental – Diu, Baçaim, Surate, Goa, Onor/Angediva e Cochim – onde a presença da colonização portuguesa é mais intensa, também através da construção de importantes fortalezas. A notável diferença na concentração de topónimos existentes entre os litorais ocidental e oriental do sub-continente indiano é a prova de tal realidade.

Esta carta hidrográfica apresenta fortes semelhanças com as folhas 15 e 16 do Livro de Marinharia de João de Lisboa, de c.1560 e a folha 5v do Atlas Universal de Lázaro Luís, de 1563, provando que os protótipos cartográficos circulavam entre os autores e as escolas.

João Carlos Garcia
(Faculdade de Letras, Universidade do Porto)
 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x