Breviário de Isabel, a Católica

Breviário de Isabel, a Católica f. 184v, O rei David e os seus músicos sobre os quinze degraus do Templo

Voltar

f. 184v, O rei David e os seus músicos sobre os quinze degraus do Templo

Para o início dos quinze salmos graduais, dentro do saltério, o Mestre do Livro de Oração de Dresden escolheu a cena em que David, rodeado de músicos, sobre os quinze degraus simbólicos do Templo, visto como uma grande igreja da época dentro de um ambiente urbano. O rei de Israel aparece representado duas vezes: a primeira, à direita da composição, numa câmara onde, de joelhos num faldistório com um livro aberto, ora; sobre ele, escrito em letras douradas lê-se: «rex dauid». A segunda, a cena principal, na qual o monarca, de costas e com a cabeça levantada, encontra-se sobre o terceiro degrau do templo. É de se destacar, dentro do estilo do Mestre do Livro de Oração de Dresden, que a personagem principal, como no caso da pintura do fólio 146 v. –que representa, também, David– se encontre de costas, o que acentua a imediatez e espontaneidade que se pretende dar à composição, deixando de lado todo o aspecto majestático. A isto, deve-se acrescentar que nem todas as figuras são vistas na sua totalidade, já que as personagens das laterais aparecem cortadas, o que convida o espectador, através da sua experiência e imaginação, a desenrolar a cena completa; neste sentido, sobressai, como no caso do protagonista visto de costas, a elaborada espontaneidade da composição, bem como a sua modernidade.
Além dos seus valores compositivos e simbólicos, o interesse da pintura centra-se, igualmente, nos instrumentos musicais representados, predominando os aerofones sobre os cordofones, o que era habitual no acompanhamento de vozes, por parte dos menestréis contratados pelas grandes catedrais, igrejas ou capelas nobiliárias, durante a liturgia da época na Flandres; contudo, isto não quer dizer, em momento algum, que a pintura mostre uma celebração musical do momento com instrumentos então utilizados, visto que alguns deles seriam arcaicos ou inapropriados para uma celebração litúrgica; simplesmente, é uma amostra da variedade musical com que, tradicionalmente, a Sukkah (5, 1-4) comenta que os levitas –com harpas, liras, címbalos e trompetas– celebravam a festa do Tabernáculos sobre os quinze degraus do Templo. No primeiro plano, aparece um homem a tocar uma flauta de pico e tamborim e outro, órgão portátil ou organetto; a seguir, outro o triângulo; a figura de costas que se vê a depois toca um aerofone, difícil de se distinguir: pode tratar-se de uma chirimia; depois, uma grande trompeta natural; seguida de uma harpa, sustentada de maneira inverosímil pelo seu tangedor; dois alaúdes, possivelmente tocados com plectro e mais chirimias.
Os salmos graduais –do 119 ao 133– são quinze cânticos populares entoados, talvez, pelos peregrinos quando iam às grandes festas em Jerusalém, como o seu nome hebreu, shir hamma’aloth, indica. A Mishna comenta que «Quinze degraus levavam ... [do átrio das mulheres] ao átrio dos israelitas e estes correspondiam aos quinze cânticos de Maaloth nos Salmos e sobre eles cantavam os levitas» (Middoth 2, 5).

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x