Breviário de Isabel, a Católica

Breviário de Isabel, a Católica f. 173r, Abraão a resgatar Lot e a ser recompensado por Melquisedec

Voltar

f. 173r, Abraão a resgatar Lot e a ser recompensado por Melquisedec

Pertencente à secção dedicada ao saltério e ilustrando o salmo 109, esta pintura do Mestre do Livro de Oração de Dresden mostra alguns aspectos habituais na representação deste salmo, que pode ser entendido como a protecção de Deus e uma prefigura do Messias como rei e sacerdote. Assim, na parte superior central, encontra-se um momento de glória em que aparecem, sentados no mesmo trono –seguindo a iconografia imperial romana de retratos de imperadores e cônsules –David, vestido como cavaleiro, coberto com um pluvial e com a coroa imperial; na sua mão esquerda sustenta outro símbolo de poder, a esfera do universo, da qual só se vê a cruz, tapada pelo livro que segura junto ao Pai, com vestes pontificais e tiara de três coroas. Em baixo, desenrola-se uma cena de batalha, conforme narrada no Génesis 14, 14-16, que representa Abraão –ao centro–, com capacete e armadura dourada a abater um dos reis, seguidores de Quedorlaomer, que tinham preso o seu sobrinho Lot, representado à direita da composição como homem com barba, de cabeça e olhos baixos e mãos atadas, sobre cujo capacete coloca «lod». Os seguidores de Abraão lutam contra os outros três reis e os seus exércitos. Em segundo plano, é mostrada a continuação do relato anterior, como se lê no Gen. 14, 18-20: a bênção de Abraão, representado como o primeiro cavaleiro da batalha, sobre o qual há uma inscrição dourada onde se lê «abraha[m]», por Melquisedec, rei de Salém e sacerdote, representado com tonsura e levando um pão na sua mão direita e um recipiente de vinho na esquerda, cujo nome aparece em cima com letras douradas «melchisedech»; é franqueado por dois servidores. No fundo, um exército, onde se destacam quatro personagens a cavalo, a sair de uma cidade fortificada: provavelmente, os quatro reis que aprisionaram Lot, saindo de Sodoma.
A exegese medieval viu na libertação de Lot uma imagem de Jesus libertando os justos do inferno; do mesmo modo, Abraão e Melquisedec adquirem um significado eucarístico, prefiguração da Última Ceia –de facto, no século XV, chamava-se melquisedec ao varão da custódia que guardava a hóstia consagrada–. Muito mais abundante é a iconografia de Abraão e Melquisedec, encontram-se modelos a partir do século V, como se pode ver num mosaico de Santa Maria a Maior de Roma, e, dentro da pintura de manuscritos, no Génesis de Viena, realizado talvez em Antioquia no VI (Viena, Österreichische Nationalbibliothek, cod. theol. gr. 31).
A margem que emoldura a pintura e texto é a habitual da escola de Gant e Bruges, de flores tratadas com ilusão de óptica sobre fundo vermelho. A maior parte delas apresenta cor violeta e, entra as espécies, cabe destacar a erva-pombinha e o lírio, cujo significado, segundo o contexto, relaciona-se com a Paixão de Cristo e é possível que, neste caso, pudesse reforçar o conteúdo eucarístico e de libertação dos pecadores da pintura.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x