Breviário de Isabel, a Católica

f. 146v, David e os cantores do Templo


Voltar

A pintura, pertencente à primeira fase de realização do Breviário, pertence o Mestre do Livro de Oração de Dresden e situa-se no saltério; concretamente, como ilustração do salmo 68: no centro de uma construção de planta centralizada, encontra-se o rei David, como se pode ver pela coroa régia sobre a sua cabeça, a gola de arminho e a harpa –sem cordas– caída à sua direita; a ler um códice sobre um estrado. Rodeiam-no onze cantores que, quer seja sobre faldistórios, ou de joelhos, têm livros; todos trajam vestes de aspecto judaizante e flores alegóricas –lírios e rosas brancas, símbolos da pureza e da fé respectivamente, e rosas vermelhas, relativas à caridade–. Um aspecto iconográfico surpreendente deve-se ao facto da maioria dos cantores mostrar a boca aberta para realizar as suas orações, o que é absolutamente incomum na tradição medieval, visto que a boca aberta, na maior parte das representações, obedece a personagens de baixa posição moral ou social. Sobre eles, aparecem nove medalhões: o do extremo esquerdo mostra três mártires: São Sebastião, São Lourenço e São Estêvão–; o da direita, uma grande construção a arder no meio de uma cidade fortificada –por debaixo, uma inscrição onde se lê: «destructio Jhe[rusa]l[e]m»; por fim, no centro superior da composição, sete adornos circulares emoldurados em ouro, como os anteriores, apresentam cenas da Paixão de Cristo –Jesus perante Anás, os ultrajes, o Senhor perante Caifás, flagelação, coroação de espinhos, Jesus Cristo a caminho do Calvário, crucificação; por debaixo, uma inscrição dourada onde se lê: «misteria passionis xpristi·».
O saltério oferece um vasto campo para ilustrações, uma vez que no seu texto não são narrados acontecimentos específicos. Se as cenas que representam a vida de David foram, obviamente, as mais representadas, no Breviário de Isabel a Católica, dá-se uma ênfase particular na construção, destruição e reconstrução de Jerusalém e ao seu Templo e, como é caso desta pintura, a cenas de celebração de cantores e músicos sob a direcção de David, não havendo nenhum ciclo semelhante em qualquer outro códice contemporâneo. É possível que a iconografia do saltério tenha sido influenciada pelo comentário aos salmos do monumental Postillae perpetuae in universam S. Scripturam de Nicolás de Lyra (1270-1340).
 

Breviário de Isabel, a Católica f. 146v, David e os cantores do Templo

Voltar

f. 146v, David e os cantores do Templo

A pintura, pertencente à primeira fase de realização do Breviário, pertence o Mestre do Livro de Oração de Dresden e situa-se no saltério; concretamente, como ilustração do salmo 68: no centro de uma construção de planta centralizada, encontra-se o rei David, como se pode ver pela coroa régia sobre a sua cabeça, a gola de arminho e a harpa –sem cordas– caída à sua direita; a ler um códice sobre um estrado. Rodeiam-no onze cantores que, quer seja sobre faldistórios, ou de joelhos, têm livros; todos trajam vestes de aspecto judaizante e flores alegóricas –lírios e rosas brancas, símbolos da pureza e da fé respectivamente, e rosas vermelhas, relativas à caridade–. Um aspecto iconográfico surpreendente deve-se ao facto da maioria dos cantores mostrar a boca aberta para realizar as suas orações, o que é absolutamente incomum na tradição medieval, visto que a boca aberta, na maior parte das representações, obedece a personagens de baixa posição moral ou social. Sobre eles, aparecem nove medalhões: o do extremo esquerdo mostra três mártires: São Sebastião, São Lourenço e São Estêvão–; o da direita, uma grande construção a arder no meio de uma cidade fortificada –por debaixo, uma inscrição onde se lê: «destructio Jhe[rusa]l[e]m»; por fim, no centro superior da composição, sete adornos circulares emoldurados em ouro, como os anteriores, apresentam cenas da Paixão de Cristo –Jesus perante Anás, os ultrajes, o Senhor perante Caifás, flagelação, coroação de espinhos, Jesus Cristo a caminho do Calvário, crucificação; por debaixo, uma inscrição dourada onde se lê: «misteria passionis xpristi·».
O saltério oferece um vasto campo para ilustrações, uma vez que no seu texto não são narrados acontecimentos específicos. Se as cenas que representam a vida de David foram, obviamente, as mais representadas, no Breviário de Isabel a Católica, dá-se uma ênfase particular na construção, destruição e reconstrução de Jerusalém e ao seu Templo e, como é caso desta pintura, a cenas de celebração de cantores e músicos sob a direcção de David, não havendo nenhum ciclo semelhante em qualquer outro códice contemporâneo. É possível que a iconografia do saltério tenha sido influenciada pelo comentário aos salmos do monumental Postillae perpetuae in universam S. Scripturam de Nicolás de Lyra (1270-1340).
 

Preferências de cookies

Utilizamos os nossos próprios cookies e de terceiros para melhorar os nossos serviços, analisando os seus hábitos de navegação. Para mais informações, pode ler nossa política de cookies. Pode aceitar todos os cookies clicando no botão Aceitar ou configurar ou rejeitar a sua utilização, clicando AQUI.