Livro de Horas de Henrique IV de França

São José, levado pelos anjos diante da Virgem Maria com o menino Jesus em seu regaço, f. 15r


Voltar

Como introdução visual à oração O intemerata (“Oh, não contaminada”) – que alude à proximidade entre Cristo e São João Evangelista e entre este e a Virgem, que aparece como intercessora perante Deus para benefício do pecador –, no livro das Horas de Henrique IV desenvolve-se uma cena que ocupa dois fólios, cuja conclusão se encontra na Virgem majestosa com o Menino, franqueados por dois anjos a adorá-los. Ela, sentada sob um assento fantástico – formado por uma cadeira de tesoura com respaldo, cujo aspeto antigo confere uma maior solenidade e relevância à cena –, jovem, serena, desvelada, com um manto debruado com um bordado dourado e a apoiar os seus pés numa almofada, segura uma maçã de ouro que o Menino, desnudo, tenta arrebatar. Este aspeto faz com que apareça como uma nova Eva, cuja origem literária se encontra nas primeiras exegeses do Cristianismo: se, pela mãe da Humanidade veio a queda, pela Mãe de Cristo vem a salvação. A cena acontece num interior, mas deve ser entendido, pelo seu contexto, como um local sagrado, seja ele no Céu, seja na Igreja, da qual a Virgem é figura.

Livro de Horas de Henrique IV de França São José, levado pelos anjos diante da Virgem Maria com o menino Jesus em seu regaço, f. 15r

Voltar

São José, levado pelos anjos diante da Virgem Maria com o menino Jesus em seu regaço, f. 15r

Como introdução visual à oração O intemerata (“Oh, não contaminada”) – que alude à proximidade entre Cristo e São João Evangelista e entre este e a Virgem, que aparece como intercessora perante Deus para benefício do pecador –, no livro das Horas de Henrique IV desenvolve-se uma cena que ocupa dois fólios, cuja conclusão se encontra na Virgem majestosa com o Menino, franqueados por dois anjos a adorá-los. Ela, sentada sob um assento fantástico – formado por uma cadeira de tesoura com respaldo, cujo aspeto antigo confere uma maior solenidade e relevância à cena –, jovem, serena, desvelada, com um manto debruado com um bordado dourado e a apoiar os seus pés numa almofada, segura uma maçã de ouro que o Menino, desnudo, tenta arrebatar. Este aspeto faz com que apareça como uma nova Eva, cuja origem literária se encontra nas primeiras exegeses do Cristianismo: se, pela mãe da Humanidade veio a queda, pela Mãe de Cristo vem a salvação. A cena acontece num interior, mas deve ser entendido, pelo seu contexto, como um local sagrado, seja ele no Céu, seja na Igreja, da qual a Virgem é figura.

Preferencias sobre cookies

Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Haz click AQUÍ para más información sobre nuestra política. Puedes aceptar todas las cookies pulsando el botón "Aceptar" o configurarlas o rechazar su uso haciendo click AQUÍ.