Livro de Horas de Henrique IV de França

Livro de Horas de Henrique IV de França David e Betsabé, f. 49v

Voltar

David e Betsabé, f. 49v

Como pintura que abre os sete salmos penitenciais, mostra Betsabé num pequeno reduto de água, desnuda, com cabelos longuíssimos, acompanhada de duas mulheres – possivelmente servas –. Em segundo plano o palácio do rei David, a partir de onde o monarca, junto com um súdito, observa a mulher. Cada destacar que, na base de um dos edifícios do conjunto real, aparece uma cena de guerra onde um soldado é abatido com uma lança por outro, como alusão ao pensamento homicida de David para tomar a esposa de Urias. Esta, assim como Eva, representava o topos da beleza canónica feminina: brancura da pele, realçada por um toque rosado, cabeleira loira, testa lisa e arredondada, disposição harmoniosa e serena dos traços, rosto magro, nariz agudo e regular, boca pequena, lábios finos e vermelhos, seio pequeno e ventre amplo – significando fecundidade –. Deve-se notar o cabelo longuíssimo que, nesta ilustração e na do pecado original, adquire um valor erótico; assim, é possível relacionar este aspeto com o jardim – possuidor de todos os tópicos do locus amoenus – como lugar de sedução, onde são expostos os encantos femininos, convertendo-o no ponto focal da escopofilia. A esta leitura andro e heterocêntrica do corpo da mulher, acrescenta-se a sua censura, ao mostrar Betsabé adornada com joias durante o seu banho, como aspeto vaidoso que influi, conscientemente, na sedução. Por conseguinte, na conceção patriarcal de inícios do século XVI, a responsabilidade ou culpa, recaía sobre Betsabé.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x