Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Descrição dos alanos e de toda a sua natureza - 45v

Voltar

Descrição dos alanos e de toda a sua natureza - 45v

Os “alanos”; ou dogos, não eram os cães preferidos de Febo. Distingue-os em três tipos: os alanos “gentis”, os alanos “vautres" (cão de caça rápido como as lebres) e os alanos “de talho”. Os gentis, também chamados de nobres, são robustos e a sua aparência é parecida com a dos galgos, mas com a cabeça mais grossa e curta. São geralmente brancos. A mancha negra que têm perto da orelha não parece ter merecido a atenção do miniaturista. Os alanos de talho são, diferentemente dos cães comuns, de tamanho grande e podem ser utilizados para caçar ursos e javalis, ainda que sempre junto com outros cães. São chamados de talho porque são companheiros habituais daqueles que se dedicam a esta profissão. Quanto aos "vautres", com um aspeto parecido com os galgos, mas de maior tamanho e com grandes orelhas caídas, são especialmente úteis para a caça de grandes animais. Estes cães são desobedientes, até mesmo perigosos e difíceis de adestrar. Desse modo, os poucos cães desta espécie que chegarem a ser adestrados costumam ser muito desejados. Graças à sua poderosa mandíbula, não soltarão a presa depois de abatida. Foram precisamente os dogos, um deles com as orelhas caídas, que causaram a morte do javali na ilustração do mês de dezembro nas Muito Ricas Horas do duque de Berry. No entanto, o quadro dos nove dogos, com uma mãe a amamentar os seus três filhotes, plasma de forma muito imperfeita as detalhadas descrições do conde de Foix. Embora todos tenham uma cabeça curta e pontiaguda, nenhum deles apresenta as orelhas longas e caídas do "vautre", de caça maior. Todos ostentam uma grossa coleira e cinco deles são amordaçados. Ao contrário, é impossível distinguir quais dentre eles os gentis, os "vautres", de caça maior e os dogos de talho, os mais ingratos. Ao contrário do pintor do manuscrito de Nova Iorque, que soube representar a feiura destes cães tão desprezados por Febo antes de reconhecer que eram necessários num boa matilha, o nosso artista restitui-lhes um toque de elegância. Visto que o "vautre", de caça maior é sobretudo um cão de javali, é possível perguntar-nos se o termo francês moderno «vautrait» que designa uma montaria ao javali não deriva do nome deste animal.
 
Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x