Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Em seguida, a descrição do cão perdigueiro e de toda a sua natureza - 50r

Voltar

Em seguida, a descrição do cão perdigueiro e de toda a sua natureza - 50r

O quadro do gato foi feito às pressas. O mesmo ocorre com o do cão perdigueiro, também chamado cão de aves, o que faz pensar que talvez tenha sido realizado pelo mesmo artista. Todos estes cães são de porte pequeno, de pelo longo, duro ou curto. Febo chama-os de “spaniels” e não os aprecia muito. Estes são cães, provavelmente, de parar, sempre na frente, aptos para a caça a pé da codorniz, da perdiz e do pato. Ele diz que procedem de Espanha e “a sua natureza é determinada pela sua má origem”. Poderíamos pensar que esta má origem faz referência ao que ele pensava da família da sua mulher, em particular de Carlos o Malvado, rei de Navarra, que, apesar da sua origem francesa e mesmo real, havia feito fortuna do outro lado dos Pirenéus. Estes cães perdigueiros são brigões, desordeiros, grandes ladradores, indisciplinados e fazem tudo para se destacar. Dito de outro modo, acumulam todos os defeitos do mundo e só servem, no melhor dos casos, para a caça de altanaria. Apesar de tudo, Febo possuía vários destes desobedientes cães perdigueiros, visto que não desdenhava a caça com açores, falcões e gaviões. E isso é o que se deduz desse alegre convívio campestre, apesar da sua reprodução infeliz.
 
 
Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x