Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Descrição das maneiras e condições que deve reunir aquele que queira aprender a ser um bom monteiro - 51v

Voltar

Descrição das maneiras e condições que deve reunir aquele que queira aprender a ser um bom monteiro - 51v

Após redigir um catálogo sobre os animais que se caçam e os cães que podem ser empregues para esta prática, Febo introduz uma nova secção do seu livro, sem que se chegue a materializar. Este quadro é muito importante para a história da transmissão da obra do conde de Foix. De facto, ela dá-nos uma prova de que foi o manuscrito de São Petersburgo, aqui o fólio 37r, o que serviu de modelo para os dois manuscritos de Paris e Nova Iorque, e não o pintado em grisalha que conservou em seu poder. O mestre da montaria instruindo os seus três jovens aprendizes está de pé à esquerda no manuscrito de São Petersburgo e também no de Paris e no de Nova Iorque, mas sentado no centro da imagem no volume em grisalha, aqui o fólio 40r. A miniatura do nosso manuscrito manteve-se fiel ao seu modelo. O mestre da montaria, com a cabeça descoberta, o seu bastão na mão esquerda, está vestido com uma longa peliça de cor azul-celeste bordada com leões em ouro. Dirige-se aos seus aprendizes, que conservam entre as mãos largas filactérias sem qualquer inscrição. Os aprendizes que aparecem nos dois manuscritos encomendados pelo duque de Borgonha já são adultos, mas crianças no realizado por Febo. O volume em grisalha aclara o significado destas fitas que estes aprendizes agitam. Nelas aparecem escritos os nomes dos seus cães preferidos: Lorete, Fricaut, Clabaud, Fretel, Vilhaut e Hurtaut. Percebemos então que as fitas do manuscrito destinado ao duque Felipe o Audaz não trazem qualquer inscrição porque certamente deveriam ser gravadas com o nome dos cães preferidos do duque de Borgonha. Com o mesmo objetivo, João Sem Medo pediu que as filactérias dos dois manuscritos que pretendia oferecer a dois grandes príncipes tivessem também sido deixadas sem qualquer inscrição, à espera de conhecer o nome dos cães daqueles a quem eram dedicadas.  A fidelidade do manuscrito de Paris ao seu modelo pode ser reconhecida nos mais pequenos detalhes: nas três árvores sobre um fundo decorado com tonalidade avermelhada e nas vestes do mestre da montaria, de cor azul com colarinho vermelho. Apenas difere o número de aprendizes e a sua idade e, em especial, a presença de dois monteiros de idade madura a conversar entre eles ou a comentar o discurso do mestre por detrás dos três personagens com as filactérias.
 
Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x