Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Esta descrição diz como se deve assobiar e tocar o corno - 54r

Voltar

Esta descrição diz como se deve assobiar e tocar o corno - 54r

Depois dos cuidados dedicados aos cães, cujos nomes todo bom monteiro deve conhecer, chegamos a uma lição sobre a comunicação. Não é para fazer barulho que os monteiros assobiam ou tocam o corno. O corno, ou então, um grito, permitir-lhes-á comunicar entre eles a longa distância e sem se verem, graças a uma mensagem muito simples que se assemelha ao morse. Para avisar da presença de um grande veado: duas notas ou gritos longos. Para assinalar o ataque: três notas ou gritos longos. Para avisar do desenvolvimento sem incidentes da perseguição, deve-se emitir uma nota longa e depois uma série de notas breves. Febo limita-se a indicar oito maneiras de tocar o corno, uma a mais que Henri de Ferrières, mas sete a menos que o seu contemporâneo, Hardouin de Fontaine-Guérin. Como é bem sabido, o corno será substituído, no início do século XVII em França pela trompa e as simples notas curtas ou longas passarão a ser árias de fanfarras. O rei Luís XV de França teria composto a ária do veado na sua quarta fase, conhecida com a fanfarra do rei. Sentado num trono faldistório, suntuosamente vestido, sem nada que adorne a sua cabeça e com o bastão na sua mão esquerda, o mestre ensina os seus aprendizes, aqui já adultos (pelo menos o primeiro deles dotado de um rosto caricaturesco). A cena desenrola-se ao ar livre, à sombra de duas árvores bem frondosas, numa natureza bastante florida. Destaca-se mais concretamente o caráter do retrato do grande senhor que ministra a lição com o seu grande cão branco, talvez um sabujo, encostado aos seus pés.

Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x