Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Descrição de como se deve caçar e apanhar o javali - 94r

Voltar

Descrição de como se deve caçar e apanhar o javali - 94r

Um modesto conjunto de seis cães bem agrupados e a caçarem todos à vista, com a cabeça levantada, perseguem um javali que foge diante deles para um terreno descoberto entre algumas árvores. A paisagem de “pasto” é uma constante nos dois manuscritos patrocinados por Febo e também no de Nova Iorque, uma constante que o paisagista do nosso manuscrito transgride com regularidade. Dois cavaleiros vestidos de cinzento, o primeiro com a espada levantada, o segundo a brandir uma lança, saem a galope atrás do animal. Os dois criados que seguem a pé armados com dardo e besta contentam-se em observar, andando sem pressa atrás dos seus cães. Pode caçar-se um javali com a lança ou com a espada, e com a besta também, mas a forma mais nobre de acabar com o animal é com a espada e sem desmontar do cavalo. A julgar pelo tamanho dos seus caninos, este javali é um exemplar adulto de quatro anos. Também é possível distinguir o seu rabo em forma de saca-rolhas, ainda que esta característica seja própria do porco doméstico. Na realidade, o javali medieval é representado amiúde com este rabo de porco em vez do apêndice curto e reto que o caracteriza. Como os porcos costumavam passear livremente pelo bosque, especialmente em novembro na altura das bolotas, coincidiam com os seus primos selvagens na época do cio, o que resultava em frequentes encontros amorosos entre os arbustos. Nas ilustrações dos nossos manuscritos, todos os javalis, apesar de serem negros e peludos, ostentam este rabo em forma de saca-rolhas que atesta a sua bastardia.
 
Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x