Livro da caça, de Gaston Fébus

Livro da caça, de Gaston Fébus Descrição de como caçar e abater pela força o gato selvagem (lince) - 101r

Voltar

Descrição de como caçar e abater pela força o gato selvagem (lince) - 101r

Duas vezes treze linhas teriam bastado para falar da caça do gato selvagem, um gato de grande tamanho, já que se trata de um lince, com manchas oceladas e pequenas orelhas pontiagudas, embora com o rabo demasiado longo. O felino, com um dardo a atravessar-lhe o ventre, defende-se com valentia contra dois cães de orelhas caídas que lhe mordem o dorso e o pescoço. O sangue que mancha a cabeça do cão branco indica claramente que o gato lhe mordeu no focinho. Dois criados incitam-nos sem intervir, ainda que estejam preparados para lançar o dardo. Os dois cavaleiros chegam mais tarde, aproximando-se a galope. A cena desenrola-se sobre um fundo salpicado de plantas floridas e fetos. Três velhas árvores isoladas servem de pretexto para uma ação secundária, a de um gato cinzento que tenta refugiar-se entre a escassa folhagem da árvore do meio. A sua estranha cor remete aos gatos domésticos, ainda escassos naquela época. A única maneira de o caçar seria abatendo-o com uma flecha. Mas disso não há qualquer perigo, já que os caçadores não portam arcos, nem bestas. O gato montês, também denominado de lince, é atacado de forma desconexa, e por casualidade, durante a perseguição da raposa e da lebre. A sua caça demora muito tempo com os grandes gritos, sobretudo se para os encurralar são utilizados lebréus e sabujos. Aqui se contentaram com uma pequena matilha de seis sabujos. Vale a pena comparar esta imagem com a do exemplar pessoal de Febo, fólio 90v: a representação é diferente, mais justa e completa. Os dois cavaleiros galopam à altura do lince ferido enquanto os cães lhe mordem o pescoço e o dorso. Podemos pensar que o dardo acaba de ser lançado por um dos dois cavaleiros. Com efeito, os criados que vão a pé não tratam em absoluto de abater o lince. O primeiro assinala ao seu companheiro o gato empoleirado na árvore. O outro aponta para ele com o arco já distendido.
 
Yves Christe,
Université de Genève

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x