Livro do Tesouro

Livro do Tesouro f. 47r, Das Sereias
Voltar

f. 47r, Das Sereias

Segundo os antigos autores, havia três sereias. Imaginavam-lhes com um corpo metade donzela até a cintura e metade peixe, dotadas de asas e unhas e que cantavam extraordinariamente. Uma delas cantava com a sua voz, outra tocava flauta e a terceira a lira; com o seu canto atraíam os navegadores que, fascinados, eram arrastados para o naufrágio. Mas o certo é que as sereias seriam meretrizes que levavam à ruína àqueles que as procuravam e estes, então, viam-se na necessidade de simular que haviam naufragado. E dizem as histórias que tinham asas e unhas, porque o amor voa e causa feridas, e que viviam nas ondas, precisamente porque as ondas criaram Vénus e a luxúria nasceu da humidade.
 
Por outro lado, na Arábia existem serpentes providas de asas e chamadas sereias, que ultrapassam os cavalos na corrida e que, para além disso e segundo contam, também voam. O seu veneno é tão poderoso que a morte advém antes de se sentir a dor da picada. 

Tradução do texto original de Brunetto Lattini no Bestiário do Livro do Tesouro (ca. 1230-1294)
Conservado na Biblioteca Nacional da Rússia, São Petersburgo

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x