Livro do Tesouro

Livro do Tesouro f. 57r, Do elefante
Voltar

f. 57r, Do elefante

O elefante é o animal de maiores proporções que se conhece. As suas presas são de marfim. O seu focinho recebe o nome de tromba probóscide e é semelhante a uma serpente. Com ela leva a forragem à boca e por isso está armada com as presas; com ela possui tanta força que rompe tudo o que golpeia.
 
Dizem os habitantes de Cremona que o imperador Frederico II levou a Cremona um elefante que lhe havia sido enviado pelo Preste João da Índia e que o viram golpear com a tromba um asno carregado, mas com tanta força que o atirou contra uma casa. Apesar de se tratar de animais muito ferozes, amansam depois de serem capturados. Mas jamais subirá para um navio para cruzar o mar se o seu dono não lhe prometer que o trará de volta.
 
 Pode ser montado, levado daqui para acolá, mas não com um freio, mas sim com um gancho de ferro. E é tão forte que são colocadas sobre ele torres de madeira e máquinas de guerra para combater. Alexandre Magno mandou construir contra eles umas figuras humanas de cobre, cheias de carvão ardente, de maneira que, quando os elefantes as golpeassem e desfizessem com as suas trombas, não tornariam a aproximar-se por medo do fogo.
 
E sabei que são dotados de uma grande inteligência e memória, pois observam a disciplina do sol e da lua assim como os homens. E andam juntos em grande multidão, por manadas, e o mais velho é o capitão de todos eles e o que o segue em idade guia-os e atiça-os na retaguarda. E quando estão em combate apenas utilizam uma das suas presas e guardam a outra para o caso de necessidade. No entanto, se estão para serem vencidos, esforçam-se para utilizar as duas.
 
 A natureza dos elefantes é tal que a fêmea, antes dos treze anos e o macho, antes dos quinze, ignoram o que é a luxúria; e são mesmo tão castos que não há entre eles luta alguma pelas fêmeas: cada um tem a sua, a qual permanece unido durante todos os dias da sua vida, de tal modo que se um perde a sua fêmea ou ela o seu macho, jamais voltam a ter par, mas seguem sempre sozinhos pelo deserto.
 
 E porque a luxúria entre eles não é tão ardente para que se juntem como os outros animais, sucede que, por aviso da natureza, ambos viajam para o oriente perto do Paraíso Terreno, até que a fêmea encontre uma erva chamada mandrágora, que come e depois dá de comer ao macho. Passado um pouco, aumenta o desejo de cada um e unem-se para procriar. Costumam parir somente uma cria e não mais que uma vez na vida. Ao contrário, costumam viver até trezentos anos.
 
Quando chega o momento do parto, a fêmea mergulha num lago e o macho vigia-a enquanto está a dar a luz, por medo do dragão, que é inimigo dos elefantes e vive desejoso do seu sangue, já que o dos elefantes é muito frio e em maior quantidade que de qualquer outra besta do mundo. 
 
E dizem aqueles que já o viram que a natureza do elefante é tal que se cair ao chão não é capaz de se levantar, pois carece de articulações nos joelhos. Mas a natureza, que é uma mestre sábia de todos os animais, ensina-o a pedir auxílio aos gritos e então começa um berreiro tão grande que acodem todos os elefantes da terra, ou pelo menos doze, e todos eles gritam ao mesmo tempo até que aparece um elefante muito pequeno, que coloca a sua boca sob o caído e levanta-o.
 
Tradução do texto original de Brunetto Lattini no Bestiário do Livro do Tesouro (ca. 1230-1294)
Conservado na Biblioteca Nacional da Rússia, São Petersburgo 

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x