Atlas universal de Fernão Vaz Dourado

Atlas universal de Fernão Vaz Dourado FOLHA 13 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. DO CABO. DE COMORIM. ATE. IAPAM. E ATE MALVCO COM TODA. A TERA. AO NORTE.
Voltar

FOLHA 13 - NESTA. FOLHA. ESTA. LAMCADO. DO CABO. DE COMORIM. ATE. IAPAM. E ATE MALVCO COM TODA. A TERA. AO NORTE.

O espaço presente na carta, “apoiado” sobre o Equador, estende-se desde o Ceilão ao Japão e às Molucas, o que quer dizer, até ao semi-meridiano de Tordesilhas, que embora não desenhado, foi substituído pela escala de latitudes, junto à margem direita da folha. Assim, podem ser observados com minúcia os litorais (Malásia, Conchinchina, Bornéu, China), os arquipélagos e as numerosas ilhas do Índico oriental e dos Mares da China Meridional e da China Oriental, bem como a entrada do Oceano Pacífico.

A localização de pontos (portos e ilhas) que unidos dão a configuração dos litorais faz-se com base nos itinerários náuticos, daí muitas vezes, o seu aspecto rectilíneo e sequencial, daí também a falta de informação sobre costas periféricas a esses itinerários, como é o caso dos litorais do Golfo da Tailândia e do Golfo de Tonquim, e melhor informação sobre litorais mais atraentes comercialmente, como entre Cantão e Xangai. O entreposto português de Macau, estabelecido na década de 1550, que assegurava a ligação entre as grandes rotas marítimas e Cantão, pelo Rio das Pérolas, é pela primeira vez figurado nos mapas de Vaz Dourado.

O registo da viagem de um europeu num barco chinês, pelo mar da China Meridional está bem expresso na seguinte inscrição: “Costa de llucois e llaus pela quall pasou. P.º ffidalguo vindo de borneo em hü Jumquo de chis corendo cö temporall ao lomgo dela ffoi tomar llamao.” Essa “costa” compacta e rectilínea no mapa é claramente a sequência das ilhas mais ocidentais do arquipélago filipino, para Nordeste de Bornéu, Palawan, Mindoro, Luzón, em direcção à Formosa e ao Japão. Essa suposta costa, numa versão de enorme ilha quase triangular, na qual se inscreve a mesma frase sobre a aventura de Pero Fidalgo, de 1545, encontramo-la já na fol. 19r do Atlas atribuído a Sebastião Lopes, de c. 1565, da Newberry Library de Chicago e difundir-se-á largamente através da gravação do mapa da China, de Luís Jorge de Barbuda, de c.1575, incluído no Theatrum Orbis Terrarum de Abraham Ortelius, desde 1584.
A configuração do arquipélago japonês, fixada por Lázaro Luís, no seu Atlas Universal de 1563, surge aqui numa versão reduzida da elaborada por Vaz Dourado, em grande escala, para o seu Atlas de 1568 (fol. 9).

São quatro as bandeiras portuguesas implantadas em lugares e territórios concretos: Ceilão, Malaca, Japão e Molucas. Sobre o poder muçulmano apenas um grande brasão com crescentes dominando o Golfo de Bengala; toda a Ásia oriental (China, Tailândia, Conchinchina) é ilustrada, além dos nomes dos principais reinos, por oito pagodes de grandes dimensões, que remetem para uma outra religião ainda não referida no Atlas, o budismo.

Esta é, provavelmente, a mais conhecida folha dos atlas de Vaz Dourado, não só por figurar muitas das novidades geográficas do Extremo Oriente para os europeus, como pela sua iconografia e riqueza cromática. Contudo, confirmando a circulação de imagens e modelos entre os cartógrafos europeus e os cartógrafos com actividade noutros continentes, o mapa apresenta-se como bastante semelhante ao desenhado na fol. 18, do Livro de Marinharia de João de Lisboa, de c.1560, à fol. 5 do Atlas de Bartolome Olives, de 1562, da Biblioteca Apostolica Vaticana, ou à fol. 6r do Atlas de Lázaro Luís, de 1563. Ou ainda, procurando modelos mais antigos, recordaríamos as cartas do Livro de Hidrografia de Jean Rotz, de 1542, da Escola de Diepe, de 1542; e também a área do Extremo Oriente nos grandes planisférios de Lopo Homem, de 1554, no Museo di Storia della Scienza, de Florença e de autor anónimo, de c. 1560, na Biblioteca Vallicelliana, de Roma. A imagem também perdurará no tempo, como é o caso da carta da fol. 16 do Atlas Universal de Joan Oliva, Nápoles, 1580.

João Carlos Garcia
(Faculdade de Letras, Universidade do Porto)
 


We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x