Grandes Horas de Ana da Bretanha

Natividade, f. 51v


Voltar

Uma das cenas nocturnas mais impressionantes, não apenas das Grandes Heures d'Anne de Bretagne, mas também da totalidade dos manuscritos iluminados na Europa durante toda a Idade Média,  como realçaram os historiadores de arte.
A iluminação desta cena nocturna é de uma grande complexidade e enorme habilidade cheias de significado. Os raios da estrela de Belém filtram-se por entre as fissuras do telhado danificado do estábulo onde nasceu o Filho de Deus. A lanterna que José segura, vestido como um peregrino medieval, apenas ilumina o seu rosto; a sua luz vê-se eclipsada pela claridade que emana da figura do recém-nascido que chega a iluminar inclusive a Virgem, tanto no sentido físico como no figurado. Bourdichon mostra claramente qual vai ser o papel que representará o nascimento de Jesus na história do mundo.
A riqueza das fontes iconográficas utilizadas por Bourdichon é evidente nesta cena: o motivo do Menino a nascer nua no chão e de quem irradia luz, é oriunda das Revelações de Santa Brígida da Suécia, cujas primeiras representações datam dos princípios do século XV, continuando na obra de Hugo van der Goes e de Gérard David. Os pastores, no segundo plano, o boi e a mula, no primeiro, são as testemunhas desta cena; são os símbolos das igrejas pagãs e dos judeus, que se fundem no cristianismo.
Na moldura de ouro que rodeia a imagem aparece uma inscrição solene: “Uma criança nasceu, foi-nos dado um filho”.

Grandes Horas de Ana da Bretanha Natividade, f. 51v

Voltar

Natividade, f. 51v

Uma das cenas nocturnas mais impressionantes, não apenas das Grandes Heures d'Anne de Bretagne, mas também da totalidade dos manuscritos iluminados na Europa durante toda a Idade Média,  como realçaram os historiadores de arte.
A iluminação desta cena nocturna é de uma grande complexidade e enorme habilidade cheias de significado. Os raios da estrela de Belém filtram-se por entre as fissuras do telhado danificado do estábulo onde nasceu o Filho de Deus. A lanterna que José segura, vestido como um peregrino medieval, apenas ilumina o seu rosto; a sua luz vê-se eclipsada pela claridade que emana da figura do recém-nascido que chega a iluminar inclusive a Virgem, tanto no sentido físico como no figurado. Bourdichon mostra claramente qual vai ser o papel que representará o nascimento de Jesus na história do mundo.
A riqueza das fontes iconográficas utilizadas por Bourdichon é evidente nesta cena: o motivo do Menino a nascer nua no chão e de quem irradia luz, é oriunda das Revelações de Santa Brígida da Suécia, cujas primeiras representações datam dos princípios do século XV, continuando na obra de Hugo van der Goes e de Gérard David. Os pastores, no segundo plano, o boi e a mula, no primeiro, são as testemunhas desta cena; são os símbolos das igrejas pagãs e dos judeus, que se fundem no cristianismo.
Na moldura de ouro que rodeia a imagem aparece uma inscrição solene: “Uma criança nasceu, foi-nos dado um filho”.

Preferências de cookies

Utilizamos os nossos próprios cookies e de terceiros para melhorar os nossos serviços, analisando os seus hábitos de navegação. Para mais informações, pode ler nossa política de cookies. Pode aceitar todos os cookies clicando no botão Aceitar ou configurar ou rejeitar a sua utilização, clicando AQUI.