Grandes Horas de Ana da Bretanha

Grandes Horas de Ana da Bretanha Anúncio aos pastores, f. 58v

Voltar

Anúncio aos pastores, f. 58v

A pintura, rodeada por uma moldura simples de ouro plano em cujas laterais, inferior e direita, se pode ler: «anv[n]cio · vobis · gavdiv[m] · magnv[m] · q[ui]a · hodie · nat[us] · est · /salvator · mv[n]di», mostra, no primeiro plano, três pastores em volta de uma fogueira. O pintor, Jean Bourdichon, mostra os diferentes estados, físicos e psicológicos, de cada um: um dos pastores assinala a aparição que surge por cima deles; o da direita pára de tocar a gaita-de-foles para observar a aparição e, como a sua luz é cegante, usa a mão direita como viseira; o terceiro ajoelha-se e abre as suas mãos em sinal de surpresa; se não fosse pelos gestos dos braços e das mãos, se conseguiria, só pelo resto do corpo, um efeito de simetria quiástica. No segundo plano, um rebanho de ovelhas. Depois, dois pastores a olhar para o alto e mostrando diferentes formas de reagir perante a visão: o da esquerda estende uma das suas mãos; o da direita protege o seu rosto com o seu braço. Atrás, Belém, sob o aspecto de uma grande cidade fortificada, e, à direita, outros dois pastores, que, junto a uma fogueira, guardam o gado e começam a dar-se conta da aparição do anjo, como se observa pelas suas cabeças levantadas e o braço erguido para proteger o seu rosto de um deles. A paisagem é cercada por massa rochosas, montes e cidades ao fundo. Na parte superior central, um anjo vestido de branco sobre um espaço dourado percorre o céu – apreciando-se as dobras de tal acto como dobras nebulosas – e, dirigindo-se aos pastores, aponta para Belém. Deve destacar-se o formidável cuidado com que Jean Bourdichon trata os traços dos pastores, rudes mas nobres, nunca caricaturados, assim como o cuidado com a luz, que estabelece dois focos lumínicos: o inferior, dado pela fogueira, cujo resplendor se reflecte gradualmente nos corpos dos três pastores e o superior do anjo, cuja luz banha os rostos dos pastores do primeiro plano e os corpos dos do segundo. Outro aspecto notável é a representação de diversas texturas: a lã das ovelhas, os diferentes tipos de tecidos e as peles curtidas dos pastores em contraste com a tez suave do anjo. Do mesmo modo, o estudo espacial é totalmente convincente: tomando um ponto de vista um pouco mais alto que o do homem do primeiro plano que aponta para o céu, da impressão de que o espectador faz parte da cena, voltando a vista, lentamente, para o segundo plano, com os pastores que estão de pé, que por sua vez conduzem directamente à visão angélica. Desta forma, Jean Bourdichon manipula a psicologia visual do espectador, conduzindo-o gradualmente à surpresa da aparição celeste.
O anúncio aos pastores é a primeira epifania; a sua imagem é a do povo judeu a quem primeiro foi dada a notícia do nascimento de Cristo. Desta forma, também se deve ver, segundo os Padres da Igreja, um tipo dos futuros sacerdotes velando pelos fiéis contra os perigos do mundo; desta forma, e resplendor visto pelos pastores é a graça que se derrama sobre os sacerdotes que cumpriram bem a sua missão.

We use private and third party cookies to improve our services by analyzing your browsing habits. If you continue to browse, we consider that you accept its use. Learn more x